Que venham os dias

Tudo começou com conversas existenciais dentro do carro, encostado em alguma praça de São Paulo, ou mesmo fora dele, sentado em algum banco ao nosso redor.  Ficávamos horas tentando entender o porque o mundo funciona dessa maneira, como algumas pessoas conseguiam viver e sorrir em realidades tão cruéis. Foram noites falando sobre a pobreza na Índia, os problemas nas periferias do Brasil, os nórdicos “exemplares”, a sociedade de consumo estadunidense, o nacionalismo boliviano, cubano e venezuelano, e por ai ia. Falávamos pra cacete.

Apesar de nunca chegarmos a uma conclusão, a vontade de conhecer essas realidades nos consumia. Vidas tão diferentes da que temos aqui, que sofrem pela cegueira da sociedade privada e pública. Como Eduardo Galeano diz que “para mudar uma realidade, seja ela qual for, precisamos conhece-la”, queríamos entender como aquelas vidas aconteciam de perto, para conhecer o que somos de verdade e o que podemos ser, saber qual o nosso papel nesse mundo complexo, para onde devemos ir.

De lá pra cá viajamos à lugares incríveis no Brasil e fora dele. Participamos de um projeto de incentivo a literatura, poesia e teatro (Os Mesquiteiros) realizando Sarau numa escola pública, no Ermelino Matarazzo, periferia de São Paulo, as noites de sábado. Conhecemos outras iniciativas fodas de grandes poetas da periferia que mudaram a realidade de bairros esquecidos, transformando-os em centros de cultura, lazer e cidadania.

Tudo isso mudou nossa maneira de ver o mundo e nos encorajou a mudar os ponteiros do nosso relógio. Acreditamos que podemos fazer algo para mudar a realidade triste de tantas pessoas e colocar dignidade e sorriso em vidas dilaceradas pelo simples fato delas “não existirem” pra muita gente. Acreditamos que precisamos amar o nosso ofício para fazer as coisas acontecerem. E por último, acreditamos que podemos viver de uma maneira mais simples, que valoriza a relação verdadeira entre as pessoas como um bem fundamental para a vida de qualquer ser humano.

Hoje começamos a escrever um novo capítulo para nossas vidas. Viajaremos pela América, do Ushuaia ao Alasca, para conhecer, viver realidades e ajudar pessoas, trabalhando em projetos sociais (ONGs, associações, cooperativas e etc).

Esse espaço é onde iremos compartilhar nossa história, que começa no Uruguai ;]

Até!

PS: O site está em fase de ajustes. Algumas sessões ainda serão alteradas.

VEJA TAMBÉM

4 COMENTÁRIOS

  1. Viajar pelo mundo e uma experiencia e tanto para quem viaja quanto para quem participa do momento, as vezes altera o rumo de algo que parecia estar somente aguardando a passagem. Entao meu sincero desejo e que mudem o quanto for possivel e se deixem mudar o quanto for necessario.
    Bjs Estarei acompanhando e torcendo por voces !!!!

  2. Muito feliz por poder acompanhar, essa missão de vcs.
    Repito as palavras do mestre: “todas as vezes, que assististes aos mais pequeninos dos meus irmãos, foi à mim que fizestes”.
    Então meus, queridos, esforçai-vos pois, para que os vossos irmãos, observando-os, sejam induzidos a reconhece-los, dados que todos que praticam a caridade são discípulos de Jesus (Paulo).Que Deus, os abençoe. Bjão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

vinte − vinte =

SIGA NOSSO INSTAGRAM

PUBLICIDADE